Blog Ilton Muller

Prefeitos de Gramado e Canela opinam sobre a privatização

Constantino defende um debate maior e Nestor apoia a concessão privada

Estão em debate do Governo do Estado e na Assembleia Legislativa os processos de concessões à iniciativa privada da Corsan e das estradas pedagiadas. Os dois afetam diretamente a região, considerando que a estatal é a concessionária do serviço de água potável e tratamento de esgoto nas cidades das Hortênsias. E, também, porque a região a abriga três praças de pedágio .
Os prefeitos das duas principais cidades da região têm posições divergentes, principalmente com relação à privatização da Corsan. Para Constantino Orsolin, prefeito de Canela, este não é o momento para decidir sobre o assunto. E para Nestor Tissot, de Gramado, a transferência da estatal para a iniciativa se justifica para que os investimentos no município sejam proporcionais à arrecadação da Corsan na cidade.

O senhor é a favor ou contra a privatização da Corsan?
Constantino Orsolin - É um pauta complexa, que ainda necessita de uma ampla discussão envolvendo o Estado, os municípios e a sociedade como um todo. Existem muitas dúvidas em relação a este tema e a forma como esta possível privatização será conduzida. Por isso é difícil ter um posicionamento a favor ou contra neste momento, pois falta um modelo para avaliação. Pela Amserra, já repassamos para a Famurs o nosso posicionamento de que este não é o momento para discutir um assunto tão sério em virtude de termos temas prioritários que envolvem a pandemia. 

Nestor Tissot - Sou favorável a privatização da Corsan. Assim como Gramado, o Estado vive um momento delicado economicamente. Administrar estatais por vezes pode significar comprometer parte do orçamento mesmo que elas possuam estruturas financeiras viáveis. Por anos, a cidade vive dilemas com os serviços prestados pela Corsan e, mesmo com investimentos a curto, médio e longo prazo, a pandemia inviabilizou que avaliássemos a qualidade das melhorias apresentadas. Questiono se a ampliação da produção e distribuição de água será suficiente, da mesma forma o esgotamento sanitário será a contento da população? Pensando naquilo que a Corsan arrecada e nas contrapartidas que foram investidos ao longo de todo contrato vigente, acredito que a solução viável seria a privatização da companhia.


Foto: Estação de Tratamento de Água da Corsan em Canela (crédito João Paulo Flores/Corsan)

Tags:Corsan

Confira outros posts

Credenciamento para artesãos na Vila de Natal segue até sexta (3)
75 profissionais da cultura serão beneficiados com auxílio emergencial em Gramado
Gramado Film Commission começa a ser desenvolvida

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!