Blog Ilton Muller

Rick Hempe comemora 50 anos de carreira

O músico já gravou 10 discos solo e faz shows em todo o Brasil

Desde a adolescência, Heinz Hempe teve envolvimento com a música. Primeiro na companhia do avô Fritz Hempe em apresentações e ensaios ao lado dos irmãos e primos n cidade natal. E depois como o artista Rick Hempe, que já conta com 10 CDs gravados, incluindo composições próprias e sucesso nacionais e internacionais. Já são 50 anos de carreira.
Nascido em Condor, interior do Rio Grande do Sul, Rick Hempe tinha contato com a música pelo menos uma vez por semana, quando o avô reunia os netos. “Ele era dirigente  de coral da Igreja Evangélica, em Condor. Gostava muito de ensinar música para a gurizada e fazia questão da família  dele estar afinada”, comentou Rick Hempe.
O pai Eduardo e a mãe também foram inspiração. Ele tocava piano, violino, violão e ela violão. Em 1970 o pai abriu a banda de baile Os Divertidos, que o jovem Heinz passou a integrar quando tinha 14 anos. “Faltou um guitarrista e como eu sabia uma meia dúzia de posições no instrumento, meu pai me colocou na banda. Fiquei uns  cinco anos, tocando guitarra, depois teclado, pistão e trombone”, recorda. Em 1980 assumiu a banda Os Divertidos. Pelo grupo gravou o LP “O Importante é Chegar”.

Como bancário, chegou em Gramado em 1979
Desde 1970 tocando em bailes no RS e fora do Estado, ele conciliou a profissão de bancário com a de músico por 15 anos. Aliás, foi essa profissão que o trouxe para Gramado em 1979, transferido para a agência do Banrisul. Saiu e voltou um tempo depois para ficar. “Quem conhece Gramado uma vez, não esquece jamais”, afirma Rick Hempe.
Voltou para concretizar o sonho de viver da música. Tocou no Doce Vida, uma banda de amigos  músicos de Gramado. “Que tempo bom aquele!”, afirma o músico, que também tocou na banda Tropical Bras de Nova Petrópolis, pelo qual gravou o LP “Bier Fest” em 1990. Já são 10 CDs solo e um DVD (Meu Sul). “Tenho a preocupação de preservar a música tradicional de bandinhas alemãs”, afirma Rick, que também toca músicas gauchesca, italiana, anos 60 e sucessos internacionais (em espanhol, alemão, francês e italiano).
No momento está gravando um novo DVD, regravando sucessos de discos anteriores e composições próprias. Ele contabiliza mais de 180 músicas gravadas por ele e composições próprias cedidas a outras bandas.
A pandemia interrompeu os shows que fazia pelo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso com a Banda RH e as apresentações solo em eventos (como Festa da Colônia, Festa da Uva, Oktoberfest, entre outros), aniversários, formaturas e casamentos.

Primeiro CD solo foi gravado em 2000
Rick Hempe gravou o primeiro CD solo em 2000. Na época, o gerente da gravadora disse que seu nome de batismo (Heinz) não era “artístico”. Adotou, então, o apelido de infância.
No primeiro disco solo se destacou a música “Gramado Rainha”, em homenagem à cidade que optou por morar e lhe abraçou.
“Quando decidi viver música, foram muitas apresentações em festas de aniversário, formaturas e casamentos. Daí a coisa embalou e estamos aqui até hoje”, comemora Rick Hempe, que credita muito do seu sucesso ao apoio da família.

CONTATOS
O trabalho de Rick Hempe pode ser conhecido no Facebook: https://www.facebook.com/rick.hempe.52 https://www.facebook.com/rick.hempe.52
Ou pelo telefone (54)9-9992-5885

Tags:Artista

Confira outros posts

17 anos do maior título de beleza conquistado por uma gramadense
Sabor colonial: os fornos da Praça das Etnias
Gramado e Canela vacinam quem tem mais de 18 anos nesta quinta-feira

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!