Blog Ilton Muller

Investigadas fraudes em licitações, “rachadinha” e benefício a servidor com instalação de parque turístico

Prefeito Constantino não é suspeito de irregularidades e nem foi alvo da investigação

Na manhã desta segunda-feira (08), a Polícia Civil desencadeou a Operação Caritas contra a corrupção em Canela. A ação teve por objetivo combater uma possível organização criminosa estabelecida em parte do poder público de Canela para o desvio de verbas públicas, fraudes em contratos e enriquecimento ilícito de agentes políticos e servidores da Prefeitura Municipal e da Câmara de Vereadores. Ao todo são investigadas 40 pessoas, entre agentes públicos, servidores públicos e empresários. O prefeito Constantino Orsolin não está entre os suspeitos de corrupção e nem foi alvo da investigação. Dados da operação foram apresentados pelo delegado regional, Heliomar Franco, e pelo titular da DP de Canela, Vladimir Medeiros na manhã de hoje.

Durante a ação, foram cumpridas 176 ordens judiciais, entre mandados de prisão preventiva, mandados de busca e apreensão, afastamentos cautelares de servidores e afastamentos de sigilos bancário e fiscal, com bloqueio de valores de partido político local, sequestros de imóveis e 11 veículos, nas cidades de Canela, Gramado, Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo e Bom Princípio, além de Balneário Camboriú e Itajaí, no litoral catarinense. Também foram bloqueadas contas bancárias que somam aproximadamente 500 mil reais.

Alguns mandados foram cumpridos em órgãos públicos de Canela, residência de agentes políticos e servidores públicos (CCs) e empresas investigadas por suspeita de integrarem organização criminosa estabelecida com o objetivo de desvio de dinheiro público, fraudes em contratos e enriquecimento ilícito.

 

Justiça atendeu três dos seis pedidos de prisão preventiva

O delegado Vladimir informou que foram encaminhados à Justiça seis pedidos de prisão preventiva, mas somente três foram autorizados pelo Judiciário. Foram presos o presidente da Câmara de Vereadores, Alberi Dias; o secretário de Obras, Luis Claudio da Silva, e o interventor do Hospital de Caridade, Vilmar da Silva dos Santos. Foi determinado, ainda, o afastamento cautelar das funções públicas do Secretário Municipal de Turismo, Angelo Sanches, do Secretário-Adjunto de Obras e de um servidor da mesma pasta.

 

 

Desvio de materiais de construção

O delegado Vladimir Medeiros, informou que as investigações iniciaram no início do ano, quando se apurava a prática de desvio de materiais de construção do hospital da cidade. Os materiais desviados foram encontrados na casa de um ex-servidor público, no interior de Canela.

Desde então, as investigações foram aprofundadas, apurando-se, segundo ele, “a existência de um esquema de fraude de orçamentos para a contratação com o poder público, em que empresas de fachada ligadas a agentes políticos e servidores públicos venciam as disputas públicas para a realização de serviços para a Prefeitura Municipal”.

Informou, ainda, que agentes públicos teriam se beneficiado financeiramente com a instalação de equipamentos turísticos na cidade. Segundo o delegado, outra prática investigada é a de “rachadinha”, em que servidores contratados em cargos em comissão (Ccs) seriam obrigados a contribuir com parte dos seus salários com o partido MDB. Este esquema arrecadaria em torno de 20 mil reais por mês de forma informal.

 

Crédito das fotos: Divulgação Polícia Civil

Tags:Operação policial em Canela

Confira outros posts

Concessão da Floresta de Canela prevê mais de R$ 90 milhões de investimento
Operação Mata Alântica identifica o desmatamento de 20 hectares de mata nativa
Inscrições abertas para o Tannenbaumfest

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!