Blog Ilton Muller

Igreja Metodista completa 115 anos de presença em Gramado

Iniciou na Linha Nova e transferiu-se para a então Vila de Gramado, em 1913


A jornada da Igreja Metodista em Gramado caminha paralelamente à trajetória histórica do município. Nasceu na primeira sede do Distrito, na Linha Nova, mudou-se para a Vila de Gramado quando o Distrito se relocalizou,  e nos dias de hoje mantém um templo com características arquitetônicas identificadas com o município e que tornou-se um atrativo turístico. Nesta quinta-feira, 24 de junho, a Igreja Metodista comemora 115 anos de presença em Gramado.
A história da igreja foi pesquisado e apresentado pela historiadora e ativista cultural, Marília Daros, no livro “Janelas, Portas, Varandas e… Saudades”, publicado em 1993. Marília Daros faleceu em 18 de maio de 2015.
No texto “História da Jornada Metodista em Gramado” ela relata que tudo começou em 1903 na Linha Nova, então sede do 5° Distrito de Taquara. Ela relata que, em uma ocasião, Antônio Benetti, de família católica, recebeu a visita de um conhecido de Caxias do Sul: Mateus Donatti, pastor Metodista. Foi lendo os livros e a Bíblia que recebeu de Donatti, que Antônio Benetti passou definitivamente para o Metodismo. A ele se juntaram outras pessoas que reuniam-se em sua casa. “Por volta de 1906, como o grupo aumentara, houveram por bem providenciar a construção de uma capela, sendo erguida em terreno adquirido dos herdeiros do sr. César Bertolucci, lá mesmo, na Linha Nova. Como o pastor vinha de quando em quando, era Antônio Benetti quem dirigia os cultos e liderava o grupo”, relatou Marília no livro.
Em 1913, a sede do 5° Distrito de Taquara foi transferida da Linha Nova para Gramado e a comunidade Metodista resolveu levar a Capela para a nova sede distrital, onde muitos de seus membros já residiam. O endereço escolhido foi a Avenida Borges de Medeiros, o mesmo de hoje. “Depois de desmontada na Linha Nova, a capela foi reerguida em Gramado, com pequena ampliação, em terreno doado pelo próprio Antônio Benetti e parte por dona Angelina Signore. Ao lado, foi erguida a casa pastoral que resistiu até por volta de 1955”, escreveu Marília no livro. 
Em 1932, a capela trazida da Linha Nova foi transferida para a parte dos fundos do terreno e na frente construída uma nova igreja. O segundo templo de madeira na Avenida Borges de Medeiros foi demolido em 1989, dando lugar ao Centro Comercial Acácia Negra e ao novo templo, inaugurado em 1996.

O trabalho missionário do pastor Donatti
Durante o evento Raízes de Gramado, em 2000, o então pastor da Igreja Metodista, Roberval Lopes Trindade, deixou registrado o empenho do pastor Mateus Donatti na expansão do Metodismo na região. A partir de Forqueta (Caxias do Sul), último ponto missionário da igreja metodista na época, Donatti chegou às Linhas Nova e Bonita, onde encontrou o apoio de Antônio Benetti. A Igreja foi fundada por 11 membros, em 1906.
“Muitas famílias foram alcançadas com o ensino do Evangelho nos primeiros anos (1906-1919) entre elas salientamos: Benetti, Zampieri, Deboni, Sanvido, Bertoluci, Chaulet Silva, Signorini Oliveira, FFulcher Beux, Bolfe, Ferreira, Rodrigues, Colle, Dalavecchia, entre outras. Importante é que tenhamos em consideração que este fato acontece nos primórdios do Metodismo nesta região e que até nossos dias muitas outras famílias foram se integrando à história desta igreja. 
O reverendo Mateus Donatti nasceu na Itália em 1847 e faleceu em Gramado em 12 de dezembro de 1919.

Tags:História

Confira outros posts

Pedágio de Três Coroas ganha pista exclusiva para cobrança automática
Aberto cadastramento de expositores da Feira Feito em Gramado
Assistência Social de Canela recebe doação de alimentos

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!