Blog Ilton Muller

Há 35 anos, Deise Nunes conquistou o Miss Brasil

A modelo representou Canela no Miss RS e foi a primeira mulher negra a conquistar o maior título de beleza do país

As férias de inverno que passava na casa dos tios, em Canela, trazem boas lembras da infância para Deise Nunes Ferst. Mas um dos momentos mais inesquecíveis foi a recepção calorosa que teve na cidade em maio de 1986, quando desfilou em carro aberto pelo Centro da cidade com a coroa e a faixa de Miss Brasil. Na próxima segunda-feira, dia 17, é comemorado o 35° aniversário dessa conquista. Foi a primeira mulher negra a conquistar o maior título de beleza do país.
Modelo profissional, Deise Nunes foi coroada Rainha das Piscinas do Rio Grande do Sul em 1984, concorrendo pelo Sport Club Internacional, Dois anos depois foi inscrita pela mãe Ana Maria no Miss Rio Grande do Sul. Na época, ela tentou concorrer por Porto Alegre, sua cidade natal, mas não encontrou apoio na Prefeitura da capital, que na época era comandada por Alceu Collares. “Ele era nosso vizinho de rua, mas não quis dar apoio”, afirma Deise Nunes. Como era visitante frequente de Canela, a mãe teve a ideia de buscar apoio na Prefeitura do município. “Era importante ter o suporte da Prefeitura pois as exigências para concorrer eram muitas”, relata Deise. O prefeito da época, Ernani da Silva Reis, abraçou a ideia e Deise Nunes representou o município no concurso estadual, que na ocasião ocorreu em São Paulo e era promovido pelo SBT, com apresentação de Silvio Santos. Eleita Miss RS, concorreu e venceu o Miss Brasil, também em São Paulo. No Miss Universo, no Panamá, ela ficou em sexto lugar.

Voluntariado e Escola de Modelos
Deise é casada há 31 anos com Lair Ferst e tem um casal de filhos, Pedro (29 anos) e Júlia (27 anos), e uma neta, Lívia, de três anos. 
Atualmente ela desenvolve trabalhos voluntários, sendo madrinha de diversos projetos sociais que a deixam realizada. “Eles (os projetos sociais) me deixam feliz e realizada. É algo que me deixa com o coração cheio de esperança de que o ser humano é capaz de dar o seu tempo para ajudar o próximo”, afirma Deise Nunes Ferst.
Ela mantém em Porto Alegre a Escola de Modelos Deise Nunes em que prepara profissionais para a área da moda. Nestes cursos ela destina vagas sociais para quem não pode pagar. “Assim como muitas pessoas ajudaram na minha caminhada, eu tenho que ajudar  outros meninos e meninas a também realizarem seus sonhos”, afirma Deise.
Ela também realiza cursos preparatórios para concursos de beleza que tiveram como alunas muitas meninas, entrte elas Marthina Brandt (Miss Brasil 2015) e Jakelyne Oliveira (Miss 2013 que buscou orientação para o Miss Universo naquele ano - se classificou em quinto lugar).

ENTREVISTA
A vitória no Miss RS lhe surpreendeu?
Deise Nunes – Todas as candidatas que participam de concursos de beleza têm o propósito de vencer. Claro que me surpreendeu porque estava concorrendo com candidatas que tinham tantas condições quanto eu. Por mais que acreditamos na gente, que acreditamos do nosso potencial, sempre ficamos um pouquinho com o pé atrás. O concurso Miss Rio Grande do Sul não era realizado aqui no Estado. Ocorria em São Paulo, na era do Silvio Santos. Já me disseram que se o concurso fosse no RS, talvez eu não tivesse vencido.

Como se preparou para o Miss Brasil? Fez algum curso, procedimento estético, por exemplo?
Deise Nunes – Eu já tinha 4 anos de carreira de modelo. Então, passarela e público não me preocupavam. Fiz academia, massagem e tomava banho de sol. Naquela época não se pensava em fazer cirurgia plástica, que era o procedimento que existia. E muito menos uma menina de  18 anos. Isso nem passou pela minha cabeça.

Como foi o concurso? E a recepção depois de eleita?
Deise Nunes - Foi um concurso muito bonito. Tenho tantas saudades daquele evento. O Anhembi (São Paulo) estava lotado. E a recepção foi calorosa, em caminhão de bombeiros na chegada. Recebi a chave da cidade de Porto Alegre Depois fui a Canela. A cidade praticamente parou para me receber. Foi um desfile em carro aberto, tão bonito e tão mágico. O carinho que recebi das pessoas foi inesquecível e marcou muito a minha vida. 

Como foi a sua participação no Miss Universo?
Deise - Ganhei o Miss Brasil em 17 de maio de 1986, uma semana depois fui para o concurso Miss Sudamerica que aconteceu na Venezuela, reunindo meninas da América Latina. Foram 15 dias na Venezuela. Fiquei em terceiro lugar e ganhei o concurso de melhor traje típico. Dali segui para o Panamá para o Miss Universo, Foi outra experiência incrível, inesquecível. Sinto saudades das pessoas que conheci lá. O Miss Universo me fez crescer muito como pessoa, como mulher, porque fui sozinha pra lá, sem a minha família. Fiquei em sexto lugar. Almejava muito aquela coroa. O Brasil espera muito este título há 53 anos, quando tivemos a última Miss Universo, Marta Vasconcelos, em 1968. 

Foste a primeira Miss RS e Miss Brasil negra. O que essa conquista representou para o movimento negro na época?
Deise Nunes – Com certeza essa conquista representou muito, porque os negros pouco se viam como pessoas bonitas, não enxergavam a beleza negra como uma beleza universal, Acreditei muito que o concurso fosse abrir portas para todas as mulheres, principalmente para as negras., Mas ainda se vê muitas dificuldades de termos candidatas negras. Em 2016, Raissa Santana foi a segunda Miss Brasil negra. Com ela concorreram mais cinco representantes estaduais negras. Foi a primeira vez que teve tantas representantes negras no concurso. 

O que o título de Miss Brasil contribuiu para a sua vida? Lhe abriu portas em que áreas?
Deise Nunes - Até hoje eu colho os frutos deste concurso, Até hoje tenho carinho, respeito, é maravilhoso. Deise Nunes é sinônimo de Miss Brasil. As pessoas dizem: ´Deise Nunes? A Miss Brasil?`Como Miss Brasil pude viajar por quase todo o país, visitei lugares que jamais teria oportunidade de conhecer se não fosse o concurso.

Os concursos de beleza de hoje têm o mesmo glamour de 35 anos atrás?
Deise Nunes - Não tem mais aquele glamour. É compreensível, pois as coisas mudam. Assim como muitas  coisas na vida, os concursos de beleza precisaram mudar. Apesar de a gente gostar daquela época mais romântica dos concursos. Mas de fato, uma das coisas que jamais os concursos deveriam perder é o glamour. A gente percebe , por exemplo, no Miss Universo, que a beleza propriamente dita já não está em primeiro lugar. A beleza não é mais tão exaltada como em anos atrás. Não quero dizer que as eleitas são feias. Pelo contrário. A beleza existe porque é um concurso, mas existem outros atributos que sempre existiram, mas que estão sendo mais ressaltados hoje, como a simpatia e a comunicabilidade, por exemplo.

Tags:Em 1986

Confira outros posts

Retorno de atividades administrativas nas escolas municipais de Canela
Mudança no rateio das vacinas pode diminuir defasagem entre municípios
Canela vacina idosos de 75 a 79 anos nesta semana

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!