Blog Ilton Muller

Escola Neusa Mari Pacheco completa 108 anos neste sábado

Referência no ensino integral, educandário tem piscina térmica e centros agrícolas e ecológico

Uma escola pública com ensino em tempo integral, piscina térmica aquecida com energia solar e duas áreas rurais, uma delas com intensa produção agrícola, está completando 108 anos neste sábado, dia 6 de março. É a Escola Estadual Neusa Mari Pacheco – CIEP, do bairro Canelinha, em Canela, que chegou a esta condição diferenciada graças a uma comunidade, professores, funcionários, pais e alunos engajados e comprometidos. A escola deve superar este ano 1.100 alunos, 88 professores e 18 funcionários.
A pandemia do coronavírus impossibilitou as atividades presenciais, principalmente no centro agrícola, situado na Linha São João, e no centro ecológico, na Linha Banhado Grande. “No ano passado e este ano, em função da pandemia, as áreas não foram visitadas pelos alunos. Acredito que esse ano também seja muito difícil termos esses projetos”, comenta o diretor Márcio Gallas Boelter. Mas os dois espaços continuam com a manutenção e limpeza. No centro agrícola foram produzidos em janeiro 5 mil garrafas de suco de uva. “Neste ano o foco será o cuidado das frutíferas, com distribuições das frutas para os alunos e hospital, além da troca do excedente da produção com mercados da cidade, fazendo o escambo com produtos de necessidade para manutenção da escola”, afirma Márcio Bolter.

História da instituição
Fundada em 1913, a escola alcançou a estrutyra atual graças à participação da comunidade, sobretudo a partir da década de 1990. Na época, nasceu a Escolinha Dom Bosco, projeto em que as crianças tinham atividades no turno inverso ao da aula. Foi o embrião do ensino integral. A participação comunitária liderada por um CPM sempre atuante, permitiu a construção da piscina térmica (com a troca de notas fiscais, programa estadual que revertia recursos ao CPM) e a cedência, pelo Governo do Estado, de duas áreas no interior do município onde funcionavam escolas rurais desativadas.

O centro agrícola da instituição foi criado em 1994, na localidade da Linha São João. O idealizador do projeto foi o antigo diretor da escola e hoje prefeito de Canela, Constantino Orsolin, junto com pais, alunos, professores e colaboradores daquele período. Em 2004, o CPM da instituição comprou mais um pedaço de terra (anexando ao imóvel cedido anteriormente pelo Estado) para ampliar a produção. Hoje são 14 hectares, sendo sete deles para a preservação permanente da mata nativa, onde são desenvolvidas atividades pedagógicas e recreativas com os alunos, que participam do processo de produção agrícola, sempre sob coordenação de professores e da direção. 


Márcio Boelter é diretor há nove anos
Márcio Gallas Boelter é ex-aluno e trabalha há 22 anos na escola, nove deles na direção. Márcio foi vice-diretor, lecionou Língua Portuguesa, Literatura, Filosofia, Agricultura, além de ter trabalhado também no financeiro da instituição. A história do diretor ilustra o engajamento da comunidade e o empenho em manter uma instituição que dispõe de infraestrutura e recursos como piscina, quadra de esportes e sala de informática.
Nos últimos anos passaram pela direção da escola, além de Constantino e Márcio, as professoras Sandra Scheffer e Vera Moraes.
“Nada se faz sozinho. Tudo é uma construção coletiva, somos muito gratos a cada professor, funcionário, equipes diretiva e pedagógica, além da parceria de toda comunidade”, conclui Márcio, lembrando o lema que edificou esta construção coletiva: “A participação faz a diferença...”

Tags:Educação

Confira outros posts

32ª Festa da Colônia registrou mais de 300 mil visitantes
Vereadores jovens de Gramado elegem sua Mesa Diretora
Brocker lança livro que conta a história de Canela e do turismo regional

Cadastre o seu e-mail para receber nossas notícias e novidades!